Saturday, December 10, 2016

Louva (a) Deus!

Ao olhar as minhas flores
 deparei com este belo exemplar!


Há muito que não o via por aqui...mas o seu poder
em facilmente passar despercebido...isso permitia!


Todavia... o azar bateu-lhe à porta...pois uma
tesoura de poda...tirou-lhe o seu poiso!
Coloquei-o noutra... da mesma espécie e lá ficou!

Mas pouco tempo...uma vez que...rapidamente
desapareceu na folhagem!





Não sei se sabe!?

No acasalamento
 o macho serve de alimento 
para "sua amada".

A fêmea agarra seu companheiro 
("ex-companheiro") pelo pescoço
arranca e come sua cabeça!

Neste momento, 
podemos entender que ele literalmente
 "perdeu a cabeça por ela".

Curiosamente, 
o "resto" do corpo do macho 
continua atuando
para terminar a fecundação da fêmea 
uma incrível realidade !!!

Terminadas as "núpcias”…
a fêmea esconde-se 
entre as folhas e vai "rezar".

Vamos tentar entender
 as implicações deste facto…
 na biologia deste bichinho!

Em verdade, 
esta atitude da fêmea promove
uma "adaptação" da espécie ao ambiente.

Uma vez alimentada 
pelo corpo de seu parceiro
ela permanece escondida 
(está nutrida até quase o momento
 da postura dos ovos)
na vegetação evitando 
ser facilmente encontrada
e devorada por pássaros, 
seus inimigos naturais.

Mais:

Tudo indica que ao devorar
 a cabeça do macho
a atuação dos centros nervosos secundários
 abdominais restantes no parceiro
fazem a fecundação ocorrer 
de forma muito mais efetiva
(maior quantidade de sêmen 
é transferida para o corpo da fêmea)!

7 comments:

  1. Cruzes!! Eu não sabia disso, amiga! Mas que fêmea desnorteada, macabra! Agora tenho uma explicação do porquê nunca fui muito com a cara desse bicho. Mas aprendi uma nova aqui com você!
    Gracias!
    Um beijo.

    ReplyDelete
  2. Magnifica reportagem com belas fotografias e já conhecia a trágica história do acasalamento destes insectos.
    Um abraço e bom Domingo.
    Andarilhar

    ReplyDelete
  3. Lindas fotos, acompanhadas de uma aula sobre o bichinho.......adorei tbm a narrativa! Bjucas

    ReplyDelete
  4. Puxa, não conhecia essas peripécias do amor!... Exóticas e curiosas, Gracinha...
    Um abração e boa semana...

    ReplyDelete
  5. Lindas fotos!
    Eu conheço esse bichinho desde criança, quando o pai nos mostrava nas plantinhas e explicava o porquê do nome.
    A estória acho triste rsrs. Coisas da natureza inteligente, mas... é uma pena que um tenha que morrer para outros nascerem...
    Abraços esmagadores e feliz dia.

    ReplyDelete
  6. Confesso que tenho receio destes bicharocos... por ter pânico de uma grande maioria dos insectos... adorei ficar a saber um pouco mais sobre este ritual... de acasalamento... tão trágico para os machos!... Morrem felizes... é um facto!... :-D
    Mas as sua imagens... estão fantásticas... a segunda então... magistralmente perfeita!
    Beijinhos
    Ana

    ReplyDelete